Vendas do comércio varejista na região de Campinas crescem 5,7% e atingem R$ 4,5 bilhões em agosto, aponta FecomercioSP

Segundo pesquisa da Entidade, o segmento de concessionárias de veículos apresentou elevação de 18,5% e contribuiu com 2,7 pontos porcentuais para o resultado positivo

Em agosto, o faturamento real do comércio varejista na região de Campinas atingiu R$ 4,5 bilhões, alta de 5,7% em relação ao mesmo mês de 2016, a sexta alta consecutiva nessa base de comparação. Entre os meses de janeiro e agosto de 2017, houve crescimento de 3,2%, e no acumulado dos últimos 12 meses, a elevação foi de 2,8%.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), juntamente com o Sindicato do Comércio de Limeira – Sicomercio, com base em informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP).

As nove atividades analisadas pela pesquisa apontaram crescimento em agosto, na comparação com o mesmo mês de 2016. Os destaques ficaram por conta dos segmentos de concessionárias de veículos (18,5% e contribuição de 2,7 pontos porcentuais); outras atividades (4,8% e impacto de 1,0 p.p.); e farmácias e perfumarias (9,3% e colaboração de 0,8 p.p.), que apresentaram as maiores altas nas vendas do varejo em agosto.

 

 

Desempenho estadual

Em agosto, as vendas do comércio varejista no Estado consolidaram a recuperação do consumo, com taxas crescentes de expansão. No mês, as vendas no varejo paulista cresceram 6,5% em relação ao mesmo mês do ano passado. Foi a quinta maior cifra registrada para o mês desde o início da série histórica, em 2008. O comércio varejista faturou R$ 52,1 bilhões no período, R$ 3,2 bilhões acima do apurado em agosto de 2016. Com esses resultados, a variação acumulada de janeiro a agosto deste ano foi de 4,1%, que, em termos reais, representou um crescimento de R$ 15,8 bilhões na comparação ao mesmo período do ano passado.

Assim como nos meses anteriores, as 16 regiões analisadas pela Federação apontaram crescimento no faturamento na comparação com o mesmo mês de 2016. Os maiores avanços foram observados nas regiões de Taubaté (9%), ABCD (8,8%) e Ribeirão Preto (8%).

Todas as atividades analisadas pela pesquisa mostraram crescimento em agosto na comparação com o mesmo mês de 2016. Os destaques ficaram por conta dos segmentos de concessionárias de veículos (12,5%); outras atividades (4,9%); e lojas de vestuário, tecidos e calçados (11,7%); que, somados, contribuíram com 3,4 pontos porcentuais (p.p.) para o resultado geral.

De acordo com a FecomercioSP, a consolidação do ciclo de recomposição das vendas varejistas é ancorada na sucessão de variáveis econômicas positivas obtidas ao longo deste ano, que começou com as quedas nas taxas de juros e de inflação, a melhoria na renda agrícola e nas exportações e a injeção dos recursos das contas inativas do FGTS, mantendo o cenário econômico em ritmo de recuperação. Assim como nos meses anteriores, a queda nos índices de desemprego também foi fundamental para a retomada, e reforça cada vez mais a confiança no poder de compra dos consumidores.

A Entidade lembra ainda que os últimos resultados apurados pelos segmentos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos e de concessionárias de veículos afirmam uma tendência de alta na aquisição de bens duráveis, itens dependentes de crédito e, portanto, do comprometimento futuro da renda das famílias.

Expectativa

Segundo a FecomercioSP, diante dos últimos desdobramentos do quadro político brasileiro, tudo indica que os próximos meses seguirão estáveis. O que mostra que as condições atuais são bem menos adversas, em termos de confiança e mesmo de resultados econômicos, do que aquelas vigentes há um ano.

Para a Federação, além da permanência em trajetória de queda da inflação e dos juros, da estabilidade cambial e dos mercados, dos resultados positivos na balança comercial, da divulgação da recuperação na arrecadação federal e de bom desempenho do PIB trimestral, a melhoria no nível do emprego se estabelece mês a mês. Com isso, as projeções continuam apontando para um crescimento anual ao redor de 5% em 2017, no faturamento real do varejo paulista.

Delegacia Regional Tributária Campinas
Águas de São Pedro, Americana, Araras, Artur Nogueira, Campinas, Capivari, Charqueada, Cordeirópolis, Cosmópolis, Elias Fausto, Engenheiro Coelho, Hortolândia, Indaiatuba, Iracemápolis, Leme, Limeira, Mombuca, Monte Mór, Nova Odessa, Paulínia, Piracicaba, Rafard, Rio das Pedras, Saltinho, Santa Bárbara d’Oeste, Santa Cruz da Conceição, Santa Maria da Serra, São Pedro, Sumaré, Valinhos.

Nota metodológica

A Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV) utiliza dados da receita mensal informados pelas empresas varejistas ao governo paulista por meio de um convênio de cooperação técnica firmado entre a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP) e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

As informações, segmentadas em 16 Delegacias Regionais Tributárias da Secretaria, englobam todos os municípios paulistas e nove setores (autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos e lojas de departamentos; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; materiais de construção; supermercados; e outras atividades).

Os dados brutos são tratados tecnicamente de forma a se apurar o valor real das vendas em cada atividade e o seu volume total em cada região. Após a consolidação dessas informações, são obtidos os resultados de desempenho de todo o Estado.

Sobre a FecomercioSP

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 142 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista – e quase 10% do PIB brasileiro –, gerando em torno de 10 milhões de empregos.

55 recommended